Diálogo é principal forma de proteger crianças na rede, dizem especialistas

Especialistas recomendam deixar o computador em uma área comum da casa. “Um lugar de livre circulação, como uma biblioteca, é o ideal para os pais acompanharem o que os filhos fazem na Internet”, diz Marcel Leonardi, advogado especializado em direito digital e professor de direito e Internet da FGV-SP.

Folha.com

Autores: Daniela Arrais e Gustavo Villas Boas
Fonte:
Folha Online

O velho conselho de não falar com estranhos, passado de geração para geração, também vale para a internet, principalmente se o usuário é menor de idade e ainda está dando os primeiros passos na navegação.

Especialistas também recomendam deixar o computador em uma área comum da casa. “Um lugar de livre circulação, como uma biblioteca, é o ideal para os pais acompanharem o que os filhos fazem na internet”, diz Marcel Leonardi, advogado e professor de direito e internet da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

O diálogo aberto também é citado como uma das principais formas de prevenir os abusos. “O diálogo e a educação são indicados para minimizar os riscos na navegação na rede”, diz o diretor de TI e conselheiro da SaferNet Brasil, Tiago Bortoletto Vaz.

Além disso, “recomendamos que os pais estejam presentes sempre que possível, evitando ao máximo que seus filhos acessem por tempo prolongando qualquer serviço na internet em locais isolados”, diz Vaz. Assim, é possível conversar sobre o que a criança ou o adolescente está vendo na internet, e, também, olhar mais de perto uma reação inusitada, como desligar o monitor de forma abrupta.

“Se a criança ou o adolescente está conectado e procura fechar rapidamente a tela, esconder o que está vendo, ou não quer contar sobre as novas descobertas, é preciso estabelecer uma conversa. São sinais de alerta que podem indicar que está ocorrendo abuso on-line”, afirma Ana Maria Drummond, diretora-executiva do Instituto Childhood Brasil.

Quando os pais se mostram receptivos aos ensinamentos que os filhos dão sobre a internet –meio com o qual a maioria já nasceu familiarizada– a relação flui melhor, dizem os consultados. “Proibir e controlar é muito complicado. Até porque, em se tratando de adolescentes, quanto mais proibido, mais atraente fica. Então, os pais devem usar a internet como ferramenta de diálogo, de informação”, afirma Beth Saad, professora da Escola de Comunicação e Artes da USP (Universidade de São Paulo) que faz pesquisas sobre internet.

Ela recomenda que os pais pesquisem os programas e as redes que os filhos usam –vale até criar um perfil no Orkut “para reduzir o déficit geracional”. “Não dá para ficar só no papel de vigilante.”

O delegado titular da 4ª Delegacia de Delitos por Meios Eletrônicos de São Paulo, Ubiracyr Pires da Silva, ressalta ainda o risco das webcams. “Os problemas aumentaram muito depois dessas câmeras.” A recomendação é que tais aparelhos nunca devem ser ligados para desconhecidos.

Deixar de tratar o sexo como tabu também é uma forma ficar próximo de quem o está descobrindo. “É preciso olhar a sexualidade não com moralismo, mas como o desenvolvimento normal do ser humano, de acordo com a idade”, diz Vicente Faleiros, assistente social, professor da UCB (Universidade Católica de Brasília) e pesquisador da UnB (Universidade de Brasília).